quarta-feira, 28 de maio de 2008

Menino só menino

O Escolar - Vincent van Gogh - Museu MASP - SP

Menino só menino
Andar à-toa entre castas sociais
te atormenta a vez e a toda sorte.

Caminhar à fome longe do teu prato,
ao pão escasso do arroz, às carnes,
sementes do feijão da esperança de
alimentar-te do grão, não te faz gosto.

Ao teu sustento o mundo está indiferente.
Ninguém te vê e nem a tua carência à toa.
Vagas, alheio, um dia vadio sem um nome,
sem o sono. Não têm cores os teus sonhos.
Logo o sol se põe, ao vento frio da madrugada.
Tu, ancião da beira da estrada, não tens u’ teto.
Talvez, não tenhas nem um cobertor dos jornais,
das revistas, dos papéis sujos desta ironia, sorte.
A noit’escura te leva à luz dos zonzos vaga-lumes,
tu não tens ombros, por isso, assim, não te choras.
Aos vultos despercebidos, às sombras das estrelas,
acomoda-te, mas te ocultas da pancada delinqüente.

Lêem-se amanhã as notícias piedosas em manchetes
avulsas ao prestígio dos transeuntes frios a ti curiosos.
Sede, menino, o crítico mudo dos estrábicos marginais.

In Verdades - mai 2008

7 comentários:

Alex disse...

Simão, o que se vê por esta cidade, sem mesmo prestar a tenção, é criança, meninos pedindo uns trocados pra comer ou pra cheirar cola de sapateiro, é muito triste, mas é real o que se vê nas ruas do centro e dos bairros da periferia. A sua poesia é muito realista, é um feio retrato da má distribuição de renda deste país. Você diz muito bem. Parabéns pelas postagens! Foi bom te ler. Gostei do açaí.

gde. abraço.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Extremamente visceral. Eu o convidei para que apreciasse o meu último post ,mas vc não foi. Vá ao meu blog,
porque postei sobre o filme Across the Universe
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Beijos,
RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO

flor disse...

Caríssimo Simão, não imagina o quanto sua opinião inunda-me de contentamento. Sempre encontras um jeito de fazer-me um carinho na alma. Obrigada.
Abraços no seu coração
e um sorriso no olhar
Flor

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Mantenho a opinião de que é visceral, só que agora achei extremamente triste, talve devido à minha tristeza. Hj analisei um filme que com toda certeza vc já viu, só não sei se gostou.
Postei sobre Excalibur. Vá lá. wwwrenatacordeiro. blogspot.com/
não há ponto depois de www
Bj,
RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

A sua poesia é única, eu diria perfeita, suave, mas pega de geito, a nos, simples leitores. bebi suas palavras, me fazem bem. Um abraço
Fiz postagem nova, adoraria que aparecesse por lá, adoro seus comentários.Um grande abraço
marthacorreaonline.blogspot.com

Alessandra, prof. disse...

meu caro Simão, "Menino só menino" é simplesmente fidelidade contextual, expõem-se as vísceras à nossa cara, realidade factual.

bjs. Alê

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Vou te contar amigo, se blog me deixa cheia de "verdades" e adoro sua maneira de "poetar," sua maneira inteligente , como conduz este blog. Fiz postagem nova, apareça por lá. Um abraço fraterno