sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Diário noturno -88


O condor andino é uma das maiores aves de rapina do mundo. A liberdade é parte de um programa nacional de reintrodução da espécie em seu habitat natural. (Foto: Martin Acosta/Reuters- globo.com -19 set 2008)

Três horas da manhã. Hoje é 13 de janeiro de 1988, memórias pródigas do que serei no futuro – futuro! Mas que futuro cabe aos homens que não dormem a não ser a ter fadiga, ainda que a liberdade seja um dom só de quem voa alto. Condor, Condores não dividam comigo a liberdade vigiada de estreitos laços que nos prendem às mãos dos senhores dono do céu, pois, também, mamãe se sentiu indisposta, com fortes dores nas costas. Pus-me a socorrê-la às presas, pronto-socorro às mães que sofrem e não dormem.

Sou a vigília da lua, somente da lua, comprometido com o mundo. Faz-se silêncio mudo! O galo canta distante, ainda, insiste em um canto salvo à madrugada, talvez, desafiando os giros do astro-mundo, eco nos vales entre rochedos das montanhas, eco à rouquidão dos meus e dos teus desalentos.

Papai diria que o canto da ave é novo e de muita esperança. Cá estou com meus anseios, sem objetivos, nem triste, nem alegre, nem esperançoso. Sim, apenas complacente, costurando enquanto especula os votos dos pensamentos: cada um de nós é uma esquina tortuosa e dura o tempo incerto de que eu terei de passar à noite, escuro é o céu do infinito.

Vou caminhando, assim, sem ter lugar nenhum p’ra chegar. O marasmo é a consciência de quem purga e purga e tem na esperança a salvação. A insônia é a senha para se regenerar dos atos que não se cometeu, porque dos assumidos nem São Pedro daria mais a ouvidos, e sendo assim, eu, cristão convencido e completo, cheio de boas ações, sou ateu convicto indiferente aos meus pecados, mas arrependido alheio a outra coisa estranha qualquer.

Mas nesse ciclo guardo um álibe: toda madrugada gero fortunas gratuitas aos moribundos. Por isso, estou tranqüilo e caminho sem o sono. Quanto às lágrimas, não são minhas. São das estrelas que navegam em mar aberto e sem destino. Logo, viro o horizonte, eis o arco da lua, da metade da lua, que me separa, às vezes, do teu destino, ingrata soberba luz.

Penso no amanhã, é hoje. Tenho a sensação da eterna morada, pois, tão perto é a subjetividade que me arrasta para janeiros vindouros sem ninguém saber dos meus porquês.

E agora de onde vem o choro da criança? — Vem do vizinho d’outro lado da rua! As crianças choram quando desconfortadas. Os homens, o homem, eu choro quando confortado e alimentado, mas perdido entre vãs maneiras de me sentir adulto.

Absurdo! Tudo é normal é absoluto, pois, absurdo é tudo, absolutamente. Cessou de chorar a criança. Ouço agora os grilos noturnos. Aos meus ouvidos, os grilos nas entranhas da alma, são gatos abandonados, impiedosamente miando, miando, miando, chorões irrequietos, mas indesejosos, pode ser igual a um-outro-ser triste e solitário-noturno, chorando e miando e mal-nutrido de esperanças. -Estranho animal que ronda as madrugadas.
In Verdades - 13 jan 1988

4 comentários:

Paulo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
A. Carlos disse...

Caro Simão, me surpreende tanta imaginação, em liberdade nos sonhos, liberdade na vigília da lua, liberdade nas asas dos "condores prisioneiros" longe dos "donos do céu" e de um-outro-ser solitário-nortuno, estranho animal das longas madrugas... ainda vou ler a "sertanização".

um abraço,
Antonio Carlos

W Machado disse...

Caro Simão, passei pra ver os postes, também já tive situações semelhantes, não muito poética assim, um belo texto, o diário nortuno... legal!
considerações do anônimo amigo.

abraço, navegante.

Aldemir disse...

Poi é, Simão! o que nos salva dessas maldições políticas são os nossos diários noturnos, mais uma vez, ficamos coma s nossas fantasias e...

gde. abraço, boas eleições.

da amigo de sempre.