domingo, 16 de março de 2008

Soneto insólito -13

Foto: Blogspot.com
Quem Conta um Conto-Betty B. Martins

Não sou nem pareço estranho ao teu olhar.
Sei que tu me conheces desde muito longe,
Exatamente assim como fomos às alegrias.

Sou o teu auto-retrato pendurado na parede,
Das salas de visita, estilo amarelado, à moda,
Amostra em moldura antiga de perfis do tempo.

Sei que continuas assim irretocável e perfeita,
Tua imagem igual comenta-se, à noite morna,
De lembranças do presente em templo história.
Tu de quem nem por razões ousas me duvidar.

Então, se ainda não houver estranhos desiguais,
Mútuos, seremos um futuro só de igual miragem,
Perfeito, exceto se o sol não estiver entre nuvens,
E a Lua lá no céu a mim e a ti pareça triste, nua.

In Verdades - mar 2008

3 comentários:

impulsos disse...

Pode até ser um soneto insólito, mas que é de muito boa qualidade... lá isso é!

Gostei e muito!

Beijo

Ana Luar disse...

Da Betty nada de menor poderá ser escrito... Nela tudo é grandioso!


Beijo em ti Simão.

Antonio disse...

Olá, simão, bom texto em belas frases ao teu estilo parecem brotar significados novos de palavras já muito conhecidas. Gostei.

do amigo,
Antonio marques