segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

homenzinho-de-jesus

Fotografia in Olhares.com

Hei meninozinho!
Hei passarinho andante!
Mostra-te um assustado!
Quê tu trazes e novidades!
Boas! ou quem te assustou?
– Queixas somente, meu amigo.
- Muita queixa de tudo, te trago!

Mas por que passarinho tantas queixas?
Nem é meia-noite, o parque está repleto,
’Inda há muita luz nas avenidas e gentes,
Muita gente passa e nem te notara iguais!
Dois-mil-e-oito começou agora é fevereiro!
Veja os homens mulheres crianças brincam,
E cães muitos cães sujam os teus caminhos.

Estercos de animais têm em muitos parques.
São queixas à toa jogadas aos ares úmidos,
Das árvores entre caules grossos d’orientais.
Outras aves grandes correm e tropeçam-se.
Algumas mergulham em águas de escarpas,
Escuras de lodo de muitos jacarés pesados.
Veja outros sabiás em colônias d’ engordas!

Nas gangorras crianças equilibram o mundo,
Decorado em monumentos aço branco cinza,
De pedras esculpidas naturalmente o relógio,
Na contramão das pernas cansadas de suor.
Então passarinho belo, - homenzinho arisco,
Queixas-te de quê, quem são os teus grilos?

- Não sei não sei não sei! São queixas e sós.
Às vezes, eu penso que tudo está muito bem,
Árvores o vento a chuva o ano aparece agora.
Começou em festa e não muda terminar festa.

- Então, isso não é bom? – se fosse diferente?
- Se fosse diferente! eu não sei pensar o certo,
Mas não seria eu um menino leve. Teria nome,
Adjetivo próprio e nenhum de ti a m’ apreender
Por piedades – olhos-gato famintos.

Assim, às intenções do falso testemunho, não.
Não te ouvi. – ouviu bem, ó falso humanista!
- Nem és superior.

In Verdades - fev 2008

4 comentários:

maria cristina disse...

Não muda nunca... reclamações, reclamações e mais reclamações...
Tudo isto faz parte...
Quanto tudo isto vai mudar?
Não reclame mais passarinho!!! a vida é assim...

Até que enfim, Cris...

aldemir disse...

Amigo poeta, posso te chamar assim? porque conversar com essas criaturinhas é tansformar as metáforas da vida em realidade. A tua poesia é denúncia ecológica de grande amplitude, tanto solidária a vida humana com também aos desastres do homem moderno à natureza. Eu li outros textos do teu blog, notei que o aspecto humano prevalece com freqüência e a ironia é uma constante da tua personalidade, só o poeta sincero tem traços assim relevantes.

um gde. abraço.

Jasmim disse...

Estranho o poema, mas gostei!
Gosto desta estrofe: "Não sei não sei não sei! São queixas e sós."
Obrigad apela visista

Anônimo disse...

Olá Simão,
Adorei seu comentário, obrigada!

Você tem o dom de ler os sinais,
Somente os poetas conseguem ver e retirar das coisas mais simples
do cotidiano e da natureza inspiração, suas poesias são lindas, parabéns!

Gosto muito de te ler.
Coloquei um link na minha página para poder vir rapidinho te visitar.

Abraços
flor
(Amor aos Pedaços)