segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Fazer arte é muito fácil - 87

Fotografia: menino Enzo De Matteis, 6 - São Paulo-Br

Fazer arte é Simples
Basta pegar um lápis e riscar qualquer traçado
Não importa que seja ou não colorido
Não dê tal importância para o seu mau jeito
Faz sentido tudo
Risque para todos os lados numa folha de papel
Ou numa tela de pano trabalhada
De preferência, faça-se nervoso e habilíssimo
Mostre uma suposta desorganização doentia mental
E, se ainda alguém preferir rir sem notar o seu talento
Rascunho e ou apontamento
Faça charme!

Mostre-se displicente
Crie um hábito incomum
Masque tabaco de corda
Ou alguma goma-borracha açucarada
E cuspa ao chão as amarguras doces
Pisque seguidamente aos maus-olhados
Exponha-se ao cacoete mais conhecido genial
Ou então cite nomes de autores loucos universais
Mostre-os como estes lhe são indiferentes a tudo
Viu bem como não é difícil!
Fazer Arte é brincar de esconde-esconde
Em tempo de crianças e na tenra idade
São ingênuas as nossas dores!

Fazer Arte
É tornar a mirar-se ao espelho-mágico
Sem dor e sem medo e sem rugas
É criar no presente desconhecido
O que não fomos ao passado
E talvez não seremos no futuro
Fazer Arte é muito mais que isso
E sem talento ser mais político
Fazer Arte não cabe o meu conceito
Às vezes me enganam e tropeço
Caio e me levanto obeso
Vou assim redigindo e compreendendo
Vou assim indeferindo
In Janelas abertas - 1ª ed. nov 2007

4 comentários:

Cesar disse...

Simão, muito legal, gostei do poema longo, cheio de voltas ao seu estilo, é realmente uma brincadeira de criança aos olhos do "teu menino?", a postagem ficou legal, parabéns!

um abraço, amigo!

Katia - de Santos disse...

Oi! uma amiga me falou de você, só vim te conferir, quis te conhecer pessoalmente, desculpe-me virtualmente, achei muito legal. Adorei!!!
Parabéns!

beijinhos...

Mariana disse...

Oi, Simão, uma amiga do tribunal já tinha me falado de vc, dos textos que vc escreve, resolvir passar por aqui para te ver. É muito bom variar as leituras sempre, do processo criminal à poesia. Os seus temas são diversos, diferentes, humanos, dos processos-crime, a vida à custódia do amor.
Gostei. Voltarei outras vezes.

da amiga, bjs.

grazi disse...

Oi, que belo, você é lindinho! e bem crescido, seu papi é um babão, esqueceu-se de dizer que fazer arte também é muito sério, mira-se em você a obra prima do artista.

beijinhos, graziela