sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Flor Cris

Pronto! Aqui é São Paulo, Bela flor!
Dá-me a tua mão menina
Seguro-a e do teu beijo
A saudade não conta
Coração

Aqui é o marco da civilização
Partiremos então para o mundo
Seguiremos nas asas d’avezita branca
Vamos para o Oriente longínquo das danças
Miragens dos oásis e das múmias inesquecíveis

Então nos mandamos para o Ocidente
Para os acidentes dos nossos pés descalços
Os nossos beijos úmidos e condecorados
D’emoções! Vamos meu bem!
P’ra nossas vidas não marcadas

Ainda, tudo é novo!
E o teu beijo — meu sono despertou

Vamos menina pisar São Paulo
Este é santo é indolor
Dá-me a tua mão
Teu doce beijo!
Vamos por aí, meu coração!

Olha! Vê a Santa-Sé
Não há missa. Há cânticos!
Corramos! O metrô p’ra norte
Vamos p’ra leste — oeste
Vamos, menina, p’ra sul!

Eu te dou meu beijo-ardente
E os teus olhos minha luz
Eu te dou meu sangue-fogo
E teu modo-menina é meu abrigo
Vamos pisar-sair-correr!

Vamos, menina, passear
Vê São Paulo
Flor Cris Flor
Somos nós!
In Janelas abertas - 1ª ed. nov 2007

Um comentário:

PHYLOS disse...

A megalópolis que cria loucos e desvairados também cria poesia,luzes, movimento.

A eterna luta entre o ser e o não-ser, ou o embate entre o ódio e a paixão por esta cidade imensa de corações.

Abç